Home Sermão O Mito da Pregação Espontânea

O Mito da Pregação Espontânea

82
0

Por Lane Sebring em 1 de outubro de 2019

Se você pregar regularmente, terá uma boa repercussão com essa piada sobre a preparação do sermão: “Alguém vai sofrer. Ou você faz antes, ou eles fazem durante. ”- Howard Hendricks

A preparação do sermão não é uma tarefa fácil. É preciso muita paciência e a capacidade de continuar, mesmo quando falta inspiração e criatividade.

ei que a preparação para o sermão pode ser irritante e quero ajudar da maneira que puder. Sei também o quão importante é colocar o trabalho duro necessário e fazer um sermão digno de ser ouvido.

Recebo um feedback interessante quando escrevo sobre a importância de trabalhar duro na preparação de sermões. Pessoas bem-intencionadas respondem com piedade equivocada quando o assunto da pregação é abordado. O desejo deles é proteger a pureza do processo e não manchar a técnica. Eles vêem a pregação como um exercício sobrenatural que o Espírito Santo superintende.

Na visão deles, a obra do Espírito Santo é frustrada quando o pregador faz um esforço para melhorar sua pregação. Quero lidar com alguns desses comentários e explicar por que acredito que eles são equivocados.

Comentários que recebi em resposta aos meus artigos sobre preparação de sermões:

“Não há necessidade de técnica de pregação. Tudo o que importa é # oração e # estudo de irmãos # sempre ”

Este parece quase santo. Tudo o que devemos fazer como pastores é orar e estudar a Bíblia. A pureza e simplicidade dessa abordagem parecem inatacáveis. Quero dizer, como você poderia argumentar com oração e estudo da Bíblia? Recebi esse tipo de feedback dezenas de vezes.

Se você prega sem orar e estudar a Bíblia, pare de pregar. A oração e o estudo da Bíblia são práticas assumidas para todo pregador. Nada em meus escritos sugere que a oração e o estudo da Bíblia sejam desnecessários. O que eu sugiro é acrescentar à oração e ao estudo da Bíblia, melhorando suas habilidades de comunicação, tornando-se um apresentador melhor, aprimorando suas habilidades de contar histórias e muitas outras coisas para melhorar a transmissão da sua mensagem. Nada disso está no lugar de oração e estudo da Bíblia, mas além disso.

“Jesus não pediu feedback de seus discípulos. Ele não precisava. Ele acabou de dizer a verdade. Comece com isso e veja como uma congregação responde. Alguns escutam, outros não.

Isso foi em resposta a um artigo que publiquei sobre  como obter mais comentários úteis sobre seus sermões . Uma das melhores coisas que você pode fazer para se preparar para o próximo sermão é receber feedback significativo sobre seu último sermão. Talvez Jesus não precise pedir feedback. Ele é perfeito, e ele é Deus. Seus sermões não precisavam de ajuda, mas o resto de nossos sermões precisa.

Como pregador que leva a sério a conexão com as pessoas e o impacto, não estou satisfeito com a abordagem de “alguns escutam, outros não”. Sempre farei tudo o que puder para ser o mais eficaz possível. Esta é a mesma atitude que Paulo teve quando disse: “… eu me tornei todas as coisas para todas as pessoas, para que, por todos os meios possíveis, eu pudesse salvar algumas. Faço tudo isso por causa do evangelho, para que eu possa compartilhar suas bênçãos ”(1 Cor. 9: 22-23).

Paulo estava disposto a aprender, crescer e se ajustar para alcançar aqueles que estavam longe de Deus. Eu também. E qualquer pregador comprometido que leve a sério seu chamado.

“A sério? Isso me faz desejar estar morto. Não vejo nada do Espírito Santo aqui, burro.

O argumento do Espírito Santo é feito muito no contexto da pregação. Geralmente é algo assim: “O Espírito Santo só trabalha em sermões onde o pregador não está preparado.” Como se o Espírito Santo não pudesse trabalhar em sua preparação. Ele só pode trabalhar no momento em que você se levanta e começa a falar.

Este comentário em particular foi uma resposta ao artigo sobre como obter feedback útil sobre o sermão. O livro de Provérbios tem muito a dizer sobre procurar conselhos de outras pessoas. “Onde não há orientação, um povo cai, mas em abundância de conselheiros há segurança” (Pro. 11:14). Quando busco feedback da minha congregação, é uma forma de buscar aconselhamento. Este é um processo guiado pelo Espírito Santo.

“Medir e pesquisar a relevância de uma parte da mensagem para um grupo demográfico parece um pouco fraco. Deus é cativante. Somos pessoas chamadas a inaugurar o Rei da Glória. ”

Esse comentário se refere a uma postagem que não diz nada sobre a pesquisa ou a avaliação de pessoas por relevância. Na verdade, tratava-se de  preparar sermões com uma equipe . A idéia era que você começará a tirar o mesmo poço se se preparar de forma consistente e isolada. Minha sugestão foi conversar com muitos tipos diferentes de pessoas para ampliar o impacto potencial de sua mensagem.

Também é um pouco presunçoso afirmar que, para que Deus seja cativante, você precisa preparar o sermão sozinho. Isso coloca a ênfase em você como porta-voz de Deus e menos em sua glória.

Não há desconexão entre o poder do Espírito Santo e a preparação rigorosa do sermão.

Os grandes pregadores entendem plenamente que o trabalho que realizam é ​​um trabalho de Deus. Eles também entendem sua própria responsabilidade de fazer todo o possível para trazer o melhor de todos os sermões todas as vezes. Paulo diz o seguinte em Colossenses 1: 28-29: “A ele proclamamos, advertindo a todos e ensinando a todos com toda a sabedoria, para que apresentemos todos amadurecidos em Cristo. Por isso, trabalho, lutando com toda a sua energia que ele trabalha poderosamente dentro de mim.”

O Espírito Santo SOMENTE funciona quando os pregadores NÃO estão preparados? Não, claro que não. Ele trabalha melhor em nós quando nos preparamos mais. Deus trabalha dentro de nós quando trabalhamos em sua força. Deus honra o trabalho diligente na preparação do sermão. É por isso que continuarei fornecendo recursos para ajudar na preparação de sermões. É por isso que nunca me contentarei com nada menos do que o melhor que posso fazer toda vez que prego. É por isso que você se esforçará para fazer o melhor que puder.

Por que você acha que as pessoas lutam com a idéia de trabalhar duro nas habilidades de comunicação como pregador? Você vê isso como uma afronta ao Espírito Santo? Por que ou por que não?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here