Home Estudo Bíblico “Jesus se identifica com os pecadores”

“Jesus se identifica com os pecadores”

86
0

Eu quero que você volte comigo em suas Bíblias para Marcos capítulo 1, por favor, Marcos capítulo 1, e estamos começando a ler no versículo 9 – e os dois eventos que estamos considerando nesta manhã são o batismo do Senhor Jesus e a tentação do senhor. O versículo 9 então: “Aconteceu naqueles dias que Jesus veio de Nazaré da Galiléia e foi batizado por João no Jordão. E imediatamente, saindo da água, viu os céus se separando e o Espírito descendo sobre Ele como uma pomba. Então uma voz veio do céu: “Você é meu Filho amado, em quem me comprazo”. Imediatamente o Espírito o levou ao deserto. E ele esteve ali no deserto quarenta dias, tentado por Satanás, e foi com os animais selvagens; e os anjos ministravam a Ele “.

Vamos orar juntos. Eu pediria que você orasse comigo agora, para que o Senhor possa falar com você, e fale com outras pessoas que precisam ouvir sua voz – você faz isso? Vamos orar juntos: Pai, obrigado por nosso Senhor Jesus, obrigado pela revelação de Sua vida e ministério – mas, Senhor, queremos encontrá-lo agora. Não queremos pensar apenas em eventos históricos, queremos realmente interagir com o Cristo Vivo. Queremos que o Espírito de Deus venha e revele as coisas de Jesus para nós e para nós. Então, esperamos você agora, Senhor, e pedimos que faça o que quiser hoje. Queremos estar muito em Suas mãos e percebemos que cada vida diante de nós hoje neste edifício é muito diferente, repleta de questões, tensões e pressões diferentes. Existem pecados que facilmente se atormentam, e nenhum de nós dois somos idênticos, Senhor, em qualquer uma dessas questões e em nossa saúde espiritual hoje. Por isso, pedimos que você venha agora, grande médico que cura os doentes, os perdidos que Ele veio para salvar. Pedimos a você, Senhor Jesus, que é o mesmo ontem, hoje e eternamente, para vir e ministrar para nós agora. No poderoso nome de Jesus, oramos – todos disseram: Amém.

Talvez você esteja aqui hoje, e você nem sabe se acredita que esta Bíblia é realmente a palavra de Deus, o que os cristãos afirmam ser?

Tenho certeza de que você já descobriu, depois de considerar as considerações do evangelho de Marcos nessas manhãs, que Marcos é particularmente o evangelho da cruz. Agora, todos os evangelhos, é claro, atingem o clímax no Calvário, mas Marcos, particularmente, a maneira como seu Evangelho está escrito, ele está conduzindo para esta semana final da vida de nosso Senhor Jesus – o que a cristandade chamou de ‘Semana Santa’, levando a Sua crucificação e morte no Gólgota. Ele nos mostra Jesus de Nazaré como o Servo do Senhor, o Servo Sofredor que é profetizado no Antigo Testamento, particularmente na profecia de Isaías. Agora, antes de abordar isso em qualquer grau, deixe-me dizer: talvez você esteja aqui hoje e nem saiba se acredita que esta Bíblia é realmente a palavra de Deus, o que os cristãos afirmam ser. Posso apenas encorajá-lo a examinar esse assunto: porque profecia, profecia bíblica, é uma das grandes provas de que a Bíblia é o que ela afirma ser – a palavra inspirada e infalível do Deus Vivo. Existem mais de 300 profecias no Antigo Testamento sobre a vida e o ministério do Senhor Jesus, muitas delas, a propósito, na profecia de Isaías. Então eu encorajo você a olhar para isso. A Bíblia mostrou ser o que afirma, pelo cumprimento, à letra, de profecias específicas relacionadas à personalidade e à atividade de Jesus Cristo, enquanto Ele andava entre os homens aqui na terra. Existem mais de 300 profecias no Antigo Testamento sobre a vida e o ministério do Senhor Jesus, muitas delas, a propósito, na profecia de Isaías. Então eu encorajo você a olhar para isso. A Bíblia mostrou ser o que afirma, pelo cumprimento, à letra, de profecias específicas relacionadas à personalidade e à atividade de Jesus Cristo, enquanto Ele andava entre os homens aqui na terra. Existem mais de 300 profecias no Antigo Testamento sobre a vida e o ministério do Senhor Jesus, muitas delas, a propósito, na profecia de Isaías. Então eu encorajo você a olhar para isso. A Bíblia mostrou ser o que afirma, pelo cumprimento, à letra, de profecias específicas relacionadas à personalidade e à atividade de Jesus Cristo, enquanto Ele andava entre os homens aqui na terra.

Mas, especificamente, relacionado à cruz, Isaías fala conosco do Servo Sofredor de Jeová. Em Isaías 52, lemos: ‘Eis meu servo … Seu rosto, sua aparência foi mais prejudicada do que qualquer homem, e sua forma mais do que os filhos dos homens; assim Ele borrifará muitas nações com seu sangue. Ele é desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores e familiarizado com a dor. E nós escondemos, por assim dizer, nossos rostos dele; Ele foi desprezado, e nós não O estimamos. Certamente Ele suportou nossas dores e carregou nossas tristezas; contudo, nós O estimamos atingido, ferido por Deus e afligido. Mas Ele foi ferido por nossas transgressões, Ele foi ferido por nossas iniqüidades; o castigo pela nossa paz estava sobre ele, e pelos seus açoites somos curados. Todos nós gostamos de ovelhas se extraviaram; todos nos voltamos para o seu próprio caminho; e o Senhor colocou sobre ele a iniqüidade de todos nós. Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a boca; Ele foi levado como um cordeiro ao matadouro, e como uma ovelha diante de seus tosquiadores é silenciosa, de modo que não abriu a boca. Contudo, agradou ao SENHOR feri-lo, esmagá-lo; Ele o colocou em sofrimento. Porque ele derramou Sua alma até a morte, e foi contado com os transgressores, e suportou o pecado de muitos, e fez intercessão pelos transgressores. Este é o Servo Sofredor do Senhor que Marcos nos apresenta. De fato, provavelmente o versículo chave em todo o Evangelho de Marcos é o capítulo 10 e o versículo 45: ‘Pois nem mesmo o Filho do Homem veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida um resgate para muitos’. Ele foi levado como um cordeiro ao matadouro, e como uma ovelha diante de seus tosquiadores é silenciosa, de modo que não abriu a boca. Contudo, agradou ao SENHOR feri-lo, esmagá-lo; Ele o colocou em sofrimento. Porque ele derramou Sua alma até a morte, e foi contado com os transgressores, e suportou o pecado de muitos, e fez intercessão pelos transgressores. Este é o Servo Sofredor do Senhor que Marcos nos apresenta. De fato, provavelmente o versículo chave em todo o Evangelho de Marcos é o capítulo 10 e o versículo 45: ‘Pois nem mesmo o Filho do Homem veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida um resgate para muitos’. Ele foi levado como um cordeiro ao matadouro, e como uma ovelha diante de seus tosquiadores é silenciosa, de modo que não abriu a boca. Contudo, agradou ao SENHOR feri-lo, esmagá-lo; Ele o colocou em sofrimento. Porque ele derramou Sua alma até a morte, e foi contado com os transgressores, e suportou o pecado de muitos, e fez intercessão pelos transgressores. Este é o Servo Sofredor do Senhor que Marcos nos apresenta. De fato, provavelmente o versículo chave em todo o Evangelho de Marcos é o capítulo 10 e o versículo 45: ‘Pois nem mesmo o Filho do Homem veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida um resgate para muitos’. Porque ele derramou Sua alma até a morte, e foi contado com os transgressores, e suportou o pecado de muitos, e fez intercessão pelos transgressores. Este é o Servo Sofredor do Senhor que Marcos nos apresenta. De fato, provavelmente o versículo chave em todo o Evangelho de Marcos é o capítulo 10 e o versículo 45: ‘Pois nem mesmo o Filho do Homem veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida um resgate para muitos’. Porque ele derramou Sua alma até a morte, e foi contado com os transgressores, e suportou o pecado de muitos, e fez intercessão pelos transgressores. Este é o Servo Sofredor do Senhor que Marcos nos apresenta. De fato, provavelmente o versículo chave em todo o Evangelho de Marcos é o capítulo 10 e o versículo 45: ‘Pois nem mesmo o Filho do Homem veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida um resgate para muitos’.

Esses dois incidentes que lemos nesta manhã nos mostram como Jesus serviu a Deus e como Ele nos serviu em Seu batismo e tentação. A natureza rápida do Evangelho de Marcos – eu não sei o quanto você leu sobre ele, mas ele continua repetindo essa palavra ‘imediatamente’, ‘imediatamente’, é mencionada duas vezes em nossa leitura ainda nesta manhã – reflete a ânsia de Jesus, o Servo do Senhor, para chegar à cruz, realizar a vontade de Deus, cumprir Sua missão e morrer pelos nossos pecados. Ambos os incidentes, Seu batismo e Sua tentação, têm a sombra da cruz lançada sobre eles.

Vamos olhar primeiro para o Seu batismo. Eu quero que você veja que, no Seu batismo, Jesus se identificou com os pecadores. Agora, existem muitas verdades aqui sobre o batismo de nosso Senhor, nas quais eu realmente não posso entrar, até mesmo no sofrimento do Espírito. Diz que o Espírito desceu sobre Ele como uma pomba, no versículo 10. Para cumprir o que João Batista havia pronunciado sobre Jesus, João sendo o precursor, no versículo 8: ‘Eu realmente batizei você com água, mas Ele batizará você com o Espírito Santo ‘- o próprio Jesus precisava dessa experiência. Ele estava indo para batizar outros com o Espírito Santo, Ele mesmo tinha que ser dotado de poder do alto, Ele tinha que ser batizado com o mesmo Espírito antes de embarcar em Seu ministério terrestre.

Esses dois incidentes nos mostram como Jesus serviu a Deus e como Ele nos serviu em Seu batismo e tentação …

Quando pensamos sobre isso, percebemos que, se Ele precisava ser equipado pelo poder do Espírito de Deus, quanto mais precisamos? Depois, há também a afirmação do Pai no versículo 11, os fendas dos céus e essa voz veio e falou: ‘Você é meu Filho Amado, em quem me comprazo’ – há a afirmação do Pai de Jesus como o Filho. Mais uma vez, ao considerarmos isso, percebemos que, se devemos realmente servir a Cristo como devemos, precisamos conhecer nossa identidade como filhos e filhas de Deus; precisamos entender o coração do pai em relação a nós. Isso é central, e eu adoraria passar um tempo nessa manhã, mas não podemos. Mas, além disso, deixe-me mencionar a você que os outros evangelhos detalham especificamente essas três tentações que o diabo trouxe ao nosso Senhor. Em um deles, transformar as pedras em pão, Satanás diz ao Senhor: ‘Se você é o Filho de Deus, transforme essas pedras em pão’. Mas, veja bem, Deus no batismo não disse que ele era o Filho de Deus – se você notar, especificamente Ele disse ‘Este é Meu Filho Amado’. É a natureza ‘amada’ do que é ser filho ou filha de Deus que é a chave para vencer a tentação, porque não é a lei, mas o amor do Pai que o manterá livre do pecado. Compreendendo sua identidade, não apenas como filho ou filha de Deus, mas como filho ou filha amada de Deus. natureza do que é ser filho ou filha de Deus é a chave para vencer a tentação, porque não é a lei, mas o amor do Pai que o manterá livre do pecado. Compreendendo sua identidade, não apenas como filho ou filha de Deus, mas como filho ou filha amada de Deus. natureza do que é ser filho ou filha de Deus é a chave para vencer a tentação, porque não é a lei, mas o amor do Pai que o manterá livre do pecado. Compreendendo sua identidade, não apenas como filho ou filha de Deus, mas como filho ou filha amada de Deus.

Não apenas a nossa identidade como filhos ou filhas está no cerne da questão da santidade, como nos mantemos afastados do pecado, mas na verdade é também o cerne do serviço. Você se lembra de quando o Senhor Jesus pegou a bacia e a toalha para lavar os pés dos discípulos, o contexto disso foi em João 13: 3-4, ‘Jesus, sabendo que o Pai havia entregado todas as coisas em Suas mãos e que Ele tinha veio de Deus e foi a Deus, levantou-se da ceia e pôs de lado as suas vestes, pegou uma toalha e cingiu a si mesmo. Era saber quem Ele era, de onde veio, qual era a Sua identidade que lhe permitia tomar aquele lugar baixo e humilde para lavar os pés dos discípulos. Portanto, o sofrimento do Espírito é algo que precisamos observar nesta passagem das Escrituras. Igualmente,

Mas o que realmente queremos considerar hoje é: por que o Senhor Jesus foi batizado? Pode haver várias respostas para isso, mas há uma que quero focar agora. Este parece ser o batismo de arrependimento, porque João estava pregando arrependimento e ele estava batizando pessoas, penitentes, pecadores que estavam confessando seus pecados, em um batismo de arrependimento. Algumas pessoas pensam, quando consideram isso, que este não poderia ser um batismo de arrependimento para Jesus, porque Ele não tinha nada do que se arrepender. Sabemos, é claro, que Ele é o Filho de Deus sem pecado, não conheceu pecado, não pecou, ​​creio que não poderia pecar – e ainda assim, aqui Ele está sendo batizado, e para todas as intenções e propósitos que os espectadores teriam atribuído a isso. seja um batismo de arrependimento por Jesus. Eu sou a favor do que Campbell Morgan diz na sua compreensão deste batismo, ouça o que ele diz: ‘Ele foi batizado como alma arrependida. Ele também era um batismo de arrependimento, Ele também era um batismo de confissão de pecados. Naquela hora, Ele se arrependeu, confessou pecados – mas o arrependimento não era para Si mesmo, os pecados não eram Seus. Naquela hora, Ele se identificou com as multidões que estavam se preparando para o batismo, identificou-se com elas na consciência do pecado, no arrependimento por isso, na confissão dele. Naquela hora do batismo, vemos a mais solene e maravilhosa visão do Servo de Deus, que veio do silêncio e reclusão de Nazaré, assumindo sobre Si o fardo do pecado humano, contando-o como se fosse Seu próprio pecado; fazendo aquilo a que um escritor apostólico finalmente se referiu declarando ‘Ele foi feito pecado por nós’ ‘. Ele também era um batismo de arrependimento, Ele também era um batismo de confissão de pecados. Naquela hora, Ele se arrependeu, confessou pecados – mas o arrependimento não era para Si mesmo, os pecados não eram Seus. Naquela hora, Ele se identificou com as multidões que estavam se preparando para o batismo, identificou-se com elas na consciência do pecado, no arrependimento por isso, na confissão dele. Naquela hora do batismo, vemos a mais solene e maravilhosa visão do Servo de Deus, que veio do silêncio e reclusão de Nazaré, assumindo sobre Si o fardo do pecado humano, contando-o como se fosse Seu próprio pecado; fazendo aquilo a que um escritor apostólico finalmente se referiu declarando ‘Ele foi feito pecado por nós’ ‘. Ele também era um batismo de arrependimento, Ele também era um batismo de confissão de pecados. Naquela hora, Ele se arrependeu, confessou pecados – mas o arrependimento não era para Si mesmo, os pecados não eram Seus. Naquela hora, Ele se identificou com as multidões que estavam se preparando para o batismo, identificou-se com elas na consciência do pecado, no arrependimento por isso, na confissão dele. Naquela hora do batismo, vemos a mais solene e maravilhosa visão do Servo de Deus, que veio do silêncio e reclusão de Nazaré, assumindo sobre Si o fardo do pecado humano, contando-o como se fosse Seu próprio pecado; fazendo aquilo a que um escritor apostólico finalmente se referiu declarando ‘Ele foi feito pecado por nós’ ‘. Ele confessou pecados – mas o arrependimento não era para Si mesmo, os pecados não eram Seus. Naquela hora, Ele se identificou com as multidões que estavam se preparando para o batismo, identificou-se com elas na consciência do pecado, no arrependimento por isso, na confissão dele. Naquela hora do batismo, vemos a mais solene e maravilhosa visão do Servo de Deus, que veio do silêncio e reclusão de Nazaré, assumindo sobre Si o fardo do pecado humano, contando-o como se fosse Seu próprio pecado; fazendo aquilo a que um escritor apostólico finalmente se referiu declarando ‘Ele foi feito pecado por nós’ ‘. Ele confessou pecados – mas o arrependimento não era para Si mesmo, os pecados não eram Seus. Naquela hora, Ele se identificou com as multidões que estavam se preparando para o batismo, identificou-se com elas na consciência do pecado, no arrependimento por isso, na confissão dele. Naquela hora do batismo, vemos a mais solene e maravilhosa visão do Servo de Deus, que veio do silêncio e reclusão de Nazaré, assumindo sobre Si o fardo do pecado humano, contando-o como se fosse Seu próprio pecado; fazendo aquilo a que um escritor apostólico finalmente se referiu declarando ‘Ele foi feito pecado por nós’ ‘. identificou-se com eles na consciência do pecado, no arrependimento por isso, na confissão dele. Naquela hora do batismo, vemos a mais solene e maravilhosa visão do Servo de Deus, que veio do silêncio e reclusão de Nazaré, assumindo sobre Si o fardo do pecado humano, contando-o como se fosse Seu próprio pecado; fazendo aquilo a que um escritor apostólico finalmente se referiu declarando ‘Ele foi feito pecado por nós’ ‘. identificou-se com eles na consciência do pecado, no arrependimento por isso, na confissão dele. Naquela hora do batismo, vemos a mais solene e maravilhosa visão do Servo de Deus, que veio do silêncio e reclusão de Nazaré, assumindo sobre Si o fardo do pecado humano, contando-o como se fosse Seu próprio pecado; fazendo aquilo a que um escritor apostólico finalmente se referiu declarando ‘Ele foi feito pecado por nós’ ‘.

Ninguém realmente sabe quem Ele é em sentido público – e a primeira coisa que Ele faz é se identificar com os pecadores empreendendo um batismo de arrependimento …

Talvez seja por isso que Martin Luther, em suas Conversas na Mesa, disse que o Novo Testamento realmente começa no Jordão, onde Jesus se identifica com os pecadores ao ser batizado. Lembre-se de que Ele acabou de sair (como diz Campbell Morgan) da reclusão de Nazaré, ninguém realmente sabe quem Ele é em sentido público – e a primeira coisa que Ele faz é se identificar com os pecadores empreendendo um batismo de arrependimento. Temos um vislumbre maior disso no Evangelho de Lucas, onde ele diz no capítulo 12, versículo 50, citando nosso Senhor: ‘Mas eu tenho um batismo para ser batizado e como estou angustiado até que seja realizado!’. Ele está falando sobre como todas as ondas e ondas da ira de Deus viriam sobre Ele na cruz, como Ele suportaria o castigo que merecemos como pecadores. O que isso significa para cada um de nós,

Então, Seu batismo foi uma identificação disso. Ele também, é claro, se identificou com os pecadores quando passou por Sua tentação; porque lemos mais tarde no Novo Testamento que Ele foi testado em todos os pontos como somos, à parte do pecado. Ele foi tentado de todas as maneiras que é possível que os seres humanos sejam tentados em um sentido geral. É por isso que o escritor hebreu continua dizendo: ‘Portanto, não temos um sumo sacerdote que não possa ser tocado com o sentimento de nossas fraquezas e enfermidades, porque Ele passou por testes semelhantes’. Vemos que isso foi ordenado por Deus, a linguagem usada no versículo 12: ‘O Espírito o levou ao deserto’ – essa é a razão, isso estava na vontade de Deus. O diabo não estava no banco do motorista aqui, você entende? Deus estava fazendo isso,

So He identifies with sinful people in His temptation, but that’s not really what I want you to see right now. I want you to see that in His temptation He challenged Satan, He challenged Satan. We don’t have all the details here in Mark, but from the other Gospel writers we realise this. Satan was the covering cherub. We don’t really know an awful lot about him, but we get little glimpses past the veil of eternity past, if you like, into what his role was in the throne room of God. It appears from Ezekiel 28, where he is called a covering cherub, that he had a role a bit like the cherubim that covered the Ark of the Covenant in the Tabernacle, these two angelic beings that covered the presence of God to some degree. So he was very high up, if not the highest in the ranking order of the celestial beings in the angelic sense, who, as it were, covered God’s glory and ministered around God’s glory in the very throne room. Now he had authority to do that, and he had the power to do that. He had authority to minister in that way in the throne room of God, and he also had the power.

Deus estava fazendo isso, para que pudéssemos ter um Salvador que se identifica com os pecadores e simpatiza com os pecadores, porque Ele foi tentado …

Mas você sabe que há uma diferença entre autoridade e poder, não é? Às vezes, eles são traduzidos da mesma forma em nossas traduções para o inglês, mas há uma diferença entre poder e autoridade – ambos são necessários para agir por Deus. Agora, quando Satanás, ou Lúcifer, se rebelou, ele não perdeu seu poder. Eu acho que todos vocês concordariam comigo, se você acredita nele, que ele ainda tem muito disso hoje em nosso mundo – e mesmo, infelizmente, em algumas de nossas vidas. Então, quando ele desobedeceu a Deus e se orgulhou, ele reteve seu poder, mas perdeu sua autoridade – tornou-se um poder ilegítimo. Para ilustrar, se você pensa em um policial que carrega armas de fogo, ele tem autoridade para fazer isso – ele tem o distintivo, está inscrito no serviço -, mas um criminoso pode ter o poder de uma arma de fogo, mas não estão autorizados, são ilegais. Agora, quando Adam foi criado, ao primeiro homem foi concedido domínio ou autoridade sobre a criação – foi por isso que ele nomeou as criaturas, e ele era o lavrador do jardim da criação, ele recebeu domínio. Mas, furtivamente, de fato a Bíblia diz ‘como uma serpente’, Satanás, com poder, entrou no Jardim do Éden e procurou arrancar autoridade das mãos de Adão. Se você conhece a história da criação, saberá que Adão obedeceu à voz de Satanás – por escolha, ele concordou com o inimigo e, ao fazê-lo, renunciou ao domínio que Deus havia lhe dado e, de fato, colocou a si mesmo e à terra sob o domínio. autoridade do domínio e reinado de Satanás. e ele era o lavrador do jardim da criação, ele recebeu o domínio. Mas, furtivamente, de fato a Bíblia diz ‘como uma serpente’, Satanás, com poder, entrou no Jardim do Éden e procurou arrancar autoridade das mãos de Adão. Se você conhece a história da criação, saberá que Adão obedeceu à voz de Satanás – por escolha, ele concordou com o inimigo e, ao fazê-lo, renunciou ao domínio que Deus havia lhe dado e, de fato, colocou a si mesmo e à terra sob o domínio. autoridade do domínio e reinado de Satanás. e ele era o lavrador do jardim da criação, ele recebeu o domínio. Mas, furtivamente, de fato a Bíblia diz ‘como uma serpente’, Satanás, com poder, entrou no Jardim do Éden e procurou arrancar autoridade das mãos de Adão. Se você conhece a história da criação, saberá que Adão obedeceu à voz de Satanás – por escolha, ele concordou com o inimigo e, ao fazê-lo, renunciou ao domínio que Deus havia lhe dado e, de fato, colocou a si mesmo e à terra sob o domínio. autoridade do domínio e reinado de Satanás.

Você sabe que Satanás não se importava nem um pouco com a humanidade, ele estava apenas nos usando para obter autoridade – e ele está fazendo exatamente o mesmo em todas as nossas vidas. Satanás tem muito poder, muito poder, mas ele só tem autoridade sempre que nós o damos. Da mesma maneira que Adam fez, ao obedecer, escolher e concordar, foi quando ele obteve autoridade em todas as nossas vidas – pelas escolhas que fazemos. Quero que você entenda como Deus, em Sua soberania divina, tem o que poderíamos chamar justapor o Jardim do Éden ao Deserto da Tentação – isso significa simplesmente que Ele está reunindo as histórias paralelas para contrastá-las. No Éden, você tem um belo paraíso. No deserto, você tem um deserto árido. No Éden, Deus disse: ‘De toda árvore do jardim você pode comer livremente, barrar a única árvore do conhecimento do bem e do mal ‘; e aqui está Jesus, o servo do Senhor, jejuando por quarenta dias sozinho no deserto. Diz aqui em Marcos que Ele está cercado por animais selvagens e, no Éden, Adão está cercado por animais mansos que ele nomeia.

As três áreas de tentação que não são especificadas aqui em Marcos, mas que temos dos outros Evangelhos, são as mesmas três áreas em que Adão e Eva foram tentados. A luxúria da carne: Eva viu que o fruto da Árvore da Conhecimento do bem e do mal, que era bom para comida, para sustento. Satanás veio a Jesus e disse: ‘Se você é o Filho de Deus, transforme essas pedras em pão’ – a concupiscência da carne. Há o orgulho da vida: Adão e Eva olharam para o fruto da árvore e viram que era desejável tornar alguém sábio: ‘Isso poderia melhorar minha humanidade à parte de Deus’. Da mesma forma, Satanás levou o Senhor Jesus a um lugar alto, o auge do templo, e o tentou a se lançar para fora de lá: ‘Porque as Escrituras dizem que os anjos de Deus são encarregados de Ti, e eles o buscarão e salvarão. Você’; e quão grande você será pensado aos olhos dos homens, se isso acontecer ‘- o orgulho da vida. O terceiro ataque foi a luxúria do olho. Diz que Adão e Eva viram que o fruto da árvore era agradável aos olhos. Satanás levou nosso Senhor Jesus até uma montanha alta, e mostrou a Ele todos os reinos do mundo e pediu que Ele se curvasse e o adorasse, e ele daria a Ele todos eles, e Ele não teria que seguir o caminho de a cruz para pegá-los.

Satanás não se importava nem um pouco com a humanidade, ele estava apenas nos usando para obter autoridade – e ele está fazendo exatamente o mesmo em todas as nossas vidas …

Onde o pecado levou Adão – a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos, o orgulho da vida – ele nos leva. Eu não fui específico sobre pecados específicos, mas todos eles entram nessas três categorias. Não sei qual é o pecado que está dominando você, mas todos os filhos de Adão foram infectados por ele. Não é maravilhoso podermos ficar aqui hoje e dizer: ‘Embora essa doença tenha infligido a todos nós, Jesus vence Satanás no jardim, Jesus vence Satanás no deserto, Jesus vence Satanás no Calvário’. No final, até o contraste é visto quando os anjos vieram ministrar ao Senhor, e no Éden o que aconteceu foi: o angelical impediu Adão e Eva de entrar no Paraíso novamente. Colossenses 2, versículo 15, diz sobre a cruz, o tema de Marcos, que na cruz Jesus estragou, desarmou, principados e poderes e fez um espetáculo público deles, triunfando abertamente sobre eles através da cruz. Em outras palavras, Jesus, por toda a sua vida, morte e ressurreição, tirou de Satanás o que ele arrancou de Adão: domínio sobre a humanidade e a terra, ele retirou a autoridade. Para que Ele possa ressuscitar, com marcas de unhas nas mãos, diante dos discípulos e comissioná-los e dizer: ‘A autoridade me foi dada no céu e na terra, vá e faça discípulos de todas as criaturas, batizando-os em nome do Pai. , o Filho e o Espírito Santo ‘. Ele retomou a autoridade. Para que Ele possa ressuscitar, com marcas de unhas nas mãos, diante dos discípulos e comissioná-los e dizer: ‘A autoridade me foi dada no céu e na terra, vá e faça discípulos de todas as criaturas, batizando-os em nome do Pai. , o Filho e o Espírito Santo ‘. Ele retomou a autoridade. Para que Ele possa ressuscitar, com marcas de unhas nas mãos, diante dos discípulos e comissioná-los e dizer: ‘A autoridade me foi dada no céu e na terra, vá e faça discípulos de todas as criaturas, batizando-os em nome do Pai. , o Filho e o Espírito Santo ‘.

Ele tem a autoridade de volta e ele tem o poder – isso não te excita? Você não pensaria que olharia para você! Mesmo! Ele, por assim dizer, distribuiu esse poder e essa autoridade para nós: ir a todo o mundo e pregar o Evangelho, porque toda autoridade do universo lhe foi dada. Como uma tradução coloca: “Entre em minha autoridade e faça discípulos”. Isso deve ser encorajador para você hoje, especialmente se você é um pecador, e eu não conheço ninguém aqui que não seja. Jesus se identificou com você em Seu batismo, em Sua tentação, e desafiou e venceu Satanás no deserto – por causa disso, ele tem autoridade e poder para libertar você do que o liga hoje. Não se trata apenas do perdão de más ações no passado, está aí, isso ‘

Não sei como você é tecnológico, qual é o conhecimento tecnológico e de informática – mas se você trabalha com computadores ou possui um computador em seu local de trabalho de que precisa, saberá que existem especialistas em TI empregados por seu empresa ou qualquer outra coisa. Muitas vezes, algo dá errado com o computador que você está usando ou com uma série de computadores. Você levanta o telefone ou faz o que faz hoje em dia e convoca o pessoal de TI. Eventualmente, ele desce e pode entrar em qualquer computador – talvez você não consiga fazer isso, mas ele pode acessar qualquer computador em todo o departamento, ou talvez em toda a indústria, e poderá consertar qualquer coisa que está quebrado, porque ele tem o que chamamos de ‘privilégios administrativos’ – privilégios administrativos. Em outras palavras, ele tem autoridade para fazê-lo. Jesus tem autoridade para consertar você. Muitas vezes, não apenas um especialista em TI precisa de autoridade administrativa, ele precisa de uma senha. A senha que você precisa é Jesus, Ele salvará Seu povo de seus pecados – Dele é o nome que está acima de todo nome, Dele é o nome que tem poder para libertar os cativos.

Ele se identificou com você, mas você deve se identificar com ele. Ele mesmo disse: ‘Portanto, quem me confessar diante dos homens, eu também confessarei diante de meu Pai, que está no céu; mas quem me negar diante dos homens, também eu negarei diante de meu pai, que está nos céus. Ele se identificou com você até a morte da cruz, levando seu pecado e vergonha como se fosse dele. A pergunta que Ele faz hoje é: você se identificará com ele? Você, pela fé, receberá Jesus como seu Salvador e seu Senhor? Vamos rezar.

A pergunta que Ele faz hoje é: você se identificará com ele? Você, pela fé, receberá Jesus como seu Salvador e seu Senhor?

Deixe-me convidar você, se você nunca confiou em Jesus como seu Senhor, nunca teve seus pecados perdoados, e você deseja ser libertado do poder do pecado em sua vida; deixe-me convidá-lo a fazer uma oração comigo. Agora, não é um feitiço ou mantra, não são as palavras que são importantes como tais, é o que está em seu coração – na fé, acreditando que Deus prometeu isso, e Jesus comprou, e que você pode receber isso quando você realmente acredita. Afaste-se dos seus caminhos pecaminosos, você não tem o poder de desistir de todas as coisas pecaminosas da sua vida – eu sei disso e você sabe disso – mas, ao obedecê-Lo na palavra do Evangelho, Ele lhe dará o poder e ajudá-lo; mas você deve dar o passo da fé. Você estaria disposto a fazer isso ao fazer esta oração?

‘Oh Deus, eu venho a Ti em nome de Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo’ – apenas ore de seu coração – ‘Confesso que sou um pecador, quebrei Suas leis. Arrependo-me, abandono meus pecados e meus caminhos egoístas para Ti por misericórdia e perdão. Eu acredito que Jesus morreu no meu lugar, levou o castigo pelos meus pecados. Agradeço por isso e peço que me salve e me limpe agora porque Jesus morreu por mim. Confesso que Jesus é o Senhor, e peço que você me encha agora com o Espírito Santo, para que eu possa viver uma vida agradável a Ele ‘.

Se você é um retrocesso ou um cristão que ainda está lutando nas principais áreas do pecado – agora eu sei que todos lutamos com o pecado, mas você está derrotado, está vencido – posso citar para você romanos: ‘O pecado não deve mais tem domínio sobre você. O domínio que Adão deu a Satanás, Jesus revidou novamente na cruz. Portanto, você não deve acreditar na mentira de que deve ser continuamente derrotado e confundido por esse pecado. Não acredite na mentira, acredite na verdade de quem você é como filho ou filha de Deus, da autoridade e do poder que você tem em Cristo e através do sangue do Calvário para vencer esse pecado em sua vida. Por que não vem confessar isso ao Senhor e dizer: ‘Senhor, eu vou escolher crer em Ti no pé da cruz e no túmulo vazio. Eu vou escolher acreditar em você, que você me dê autoridade e poder para viver na vitória do Senhor Jesus Cristo ‘. Como Ele é, também estamos neste mundo.

Pai, oro por todas as pessoas aqui, quaisquer que sejam as circunstâncias – especialmente para aqueles que ainda não o conhecem como Salvador de suas vidas e Senhor de todos. Oro para que este seja o dia em que eles dobrarão os joelhos e Te aceitarão. Oro por todo o Seu povo, Senhor, filhos e filhas, por aqueles que não percebem sua própria identidade, por aqueles que não estão vivendo na vitória da cruz, por aqueles que não reconhecem que o poder que ressuscitou Jesus dentre os mortos está vivo neles. Senhor, você os faria hoje ver que, para esse propósito, o Filho de Deus foi manifestado, para que Ele pudesse destruir todas as obras do iníquo. Hoje, elevamos a cruz aqui e declaramos que Jesus venceu e está consumado, e somos mais que vencedores por Aquele que nos amou. Separe-nos agora com a sua bênção, em nome de Jesus.

Deus te abençoê.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here