Home Estudo Bíblico IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?

IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?

31
0

UMA AVALIAÇÃO PROVISÓRIA
Mauro Meister*
RESUMO

Fonte: http://www.escolacharlesspurgeon.com.br

Este artigo procura fazer uma análise preliminar do movimento denominado “igreja emergente” e identificar quais são as principais influências que
recebeu. Ainda que seja difícil definir o movimento, por causa de suas características pós-modernas, essa é a primeira proposta do artigo. Após uma definição
preliminar, o autor apresenta a origem e representatividade do movimento, além
de suas principais características, analisando a sua filosofia pelos olhos dos
seus principais proponentes. As características mais destacadas do movimento
resumem-se em suas atitudes de pluralismo e protesto, demonstradas através de
sua definição missional, uso da linguagem, expressão de culto e pregação.
PALAVRAS-CHAVE

Igreja emergente; Pós-modernismo; Metanarrativa; Pluralismo; Cultura;
Inclusivismo; Missional; Contemplativo; Paganismo.

 

INTRODUÇÃO

Há alguns meses, se eu ouvisse a expressão “igreja emergente” certamente
pensaria que se tratava de algum estudo sobre a igreja neotestamentária nos
primeiros séculos da era cristã. Hoje, depois de pensar que estive fechado em
um quarto sem receber notícias do mundo por vários anos, sei que a igreja
emergente é um movimento em expansão dentro da igreja evangélica nas
duas últimas décadas. O chamado movimento da igreja emergente já tem até
* O autor é doutor em Literatura Semítica pela Universidade de Stellenbosch, África do Sul,
coordenador do curso de Mestrado em Divindade (M.Div.) no CPAJ e um dos pastores da Igreja Presbiteriana da Lapa, em São Paulo.
MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?
96
mesmo uma associação brasileira, fundada informalmente em janeiro de 2006,
nos seguintes termos:
Convenção Brasileira de Igrejas Emergentes: Foi iniciada no dia 2 de janeiro
de 2006, com apoio da Emergent Village dos EUA, a Convenção Brasileira
de Igrejas Emergentes, com o propósito de apoiar pessoas que desejam iniciar
novas Igrejas no Brasil, proporcionar contatos de líderes brasileiros com líderes
americanos e fornecer material para pessoas interessadas em Igrejas Emergentes.
Após o resultado de pesquisas feitas no Brasil, foi possível detectar algumas
pessoas que já estão a par do assunto e ansiosas para iniciarem uma Igreja
Emergente. Com isso a nossa Convenção deseja contatar com algumas delas
para começar uma conversação sobre o assunto e proporcionar apoio para as
mesmas. Se você deseja nos apoiar e ser apoiado, entre em contato conosco:
[email protected]
Já se encontra disponível uma bibliografia relativamente extensa sobre o
assunto,2
especialmente em inglês, e também alguns poucos artigos em periódicos teológicos. Existe um notável interesse por parte de estudiosos quanto
ao movimento, analisando-o e buscando as pontes para uma aproximação.3
Provavelmente a obra mais completa sobre o assunto foi publicada por dois
professores do Fuller Theological Seminary, Eddie Gibbs e Ryan Bolger, sob
o título Emerging Churches, um projeto de pesquisa que durou cinco anos e
abrange os Estados Unidos da América e o Reino Unido.4
Os autores reconhecem que o movimento extrapola a área geográfica a que dedicaram a pesquisa
e admitem que não teriam como realizar uma pesquisa mais extensa do que
a apresentada. Sua abordagem do movimento é simpática e positiva. Já D.
A. Carson, em seu texto Becoming Conversant with the Emerging Church:
Understanding a Movement and its Implications, tem uma abordagem mais
cautelosa, apontando alguns pontos positivos e tecendo longos comentários
sobre os perigos que o movimento representa para a fé cristã bíblica. A pesquisa de Carson, ao contrário da realizada por Bolger e Gibbs, é bibliográfica
e concentra-se de modo especial no aspecto filosófico do movimento.
1 http://igrejaemergente.blogspot.com/2006_01_01_igrejaemergente_archive.html. (acesso em
20 fev. 2006).
2 KIMBALL, Dan. The emerging church. Grand Rapids: Zondervan, 2003; McLAREN, Brian.
A generous orthodoxy: why I am a missional, evangelical, post/protestant, liberal/conservative, mystical/poetic, biblical, charismatic/contemplative, fundamentalist/calvinist, anabaptist/anglican, methodist,
catholic, green, incarnational, depressed-yet-hopeful, emergent, unfinished Christian. Grand Rapids:
Zondervan, 2004.
3 CARSON, D. A. Becoming conversant with the emerging church: understanding a movement
and its implications. Grand Rapids: Zondervan, 2005; WELLS, David F. Above all earthly pow`rs: Christ
in a postmodern world. Grand Rapids: Eerdmans, 2005.
4 GIBBS, Eddie e BOLGER, Ryan. Emerging churches: creating Christian community in postmodern cultures. Grand Rapids: Baker Academics, 2005.
FIDES REFORMATA XI, Nº 1 (2006): 95-112
97
A intenção deste artigo é: (1) entender, ainda que de maneira introdutória, o movimento da igreja emergente a partir da bibliografia sobre o assunto
e (2) avaliar a influência desse movimento e seus princípios no contexto
brasileiro.

1. DEFINIÇÃO

Por ser um movimento característico da pós-modernidade, a igreja emergente é difícil de ser definida e alguns autores até mesmo hesitam em dizer
que ela pode ser caracterizada como um movimento.5
Os próprios envolvidos
preferem se caracterizar como uma “conversação” emergente. Há que se lembrar que o pós-modernismo é caracterizado pela negação da possibilidade de
qualquer metanarrativa abrangente.6
No ambiente pós-moderno o pluralismo
relativista domina o cenário das idéias, negando a possibilidade de um único
caminho,7
a possibilidade de regras fixas.
As características de fluidez, imprecisão e falta de um padrão que possa
abranger todas as comunidades que se reconhecem como emergentes tornam
a tarefa da definição ainda mais difícil. Por outro lado, é impossível deixar
de observar que um número cada vez maior de comunidades com origens
dentro do cristianismo chamam a si mesmas de emergentes. Seguindo a tese
de Carson – “sempre que surge um movimento cristão que se apresenta como
reformista ele não deve ser sumariamente descartado”8
–, faz-se necessário um
esforço na busca de compreender o que caracteriza de fato esses movimentos
emergentes.
No que diz respeito à história, Gibbs e Bolger afirmam que o termo igreja
emergente foi usado pela primeira vez por Karen Ward (Igreja dos Apóstolos,
Seattle), quando ela criou um site na Internet denominado EmergingChurch.org.9
Segundo os autores, não havia qualquer intenção de se criar um movimento
5 JOHNSON, Phil. A critical look at the emerging church movement. http://emergentno.blogspot.
com/2006/03/phil-johnson-critical-look-at-emerging.html (acesso em 11 abr. 2006).
6 Ver LYOTARD, François. A condição pós-moderna. 5ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1998. Segundo GOUVÊA, Ricardo Quadros, “a desconstrução implica na subversão, na descentralização de qualquer origem perceptível de discursos autoritativos associados a ‘metanarrativas’, isto
é, macroestruturas teóricas como, por exemplo, sistemas filosóficos ou teológicos. As metanarrativas
são desconstruidas através de uma ‘arqueologia do conhecimento’ e de uma tipologia dos discursos…
O posmodernismo rejeita e busca desconstruir qualquer noção de verdade que se proponha unitária,
absoluta, universal, ou mesmo coerente”. A morte e a morte da modernidade: quão pós-moderno é o
posmodernismo? Fides Reformata 1/2 (1996):59-70, p. 64.
7 Segundo Gibbs e Bolger, a única metanarrativa viável é a missio Dei, que “redime nossa realidade
material, dá boas-vindas ao estranho, compartilha generosamente, capacita, ouve, dá espaço e oferece
a verdadeira liberdade”. Emerging churches, p. 46.
8 CARSON, Becoming conversant, p. 10.
9 GIBBS e BOLGER, Emerging churches, p. 30. Este site já não existe.
MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?
98
cristão com esse ato, mas foi assim que o nome terminou sendo empregado. A
intenção de Ward era somente manifestar a sua inquietude e frustração com a
igreja evangélica no início dos anos 90.
Já no final daquela década, Brian McLaren, um dos nomes mais reconhecidos dentro do movimento,10 começou a usar o termo “emergente” em seus
livros, especialmente quando escreveu A Generous Orthodoxy. Para McLaren
era necessário que a igreja descobrisse e desenvolvesse uma ortodoxia diferente
da ortodoxia praticada pela igreja evangélica durante o período do modernismo.
Era necessário, segundo ele, desenvolver uma ortodoxia generosa em oposição
à ortodoxia inflexível do período moderno. Ele afirma:
O significado de emergente é uma parte essencial do ecossistema da ortodoxia
generosa… Pense em um corte transversal numa árvore. Cada anel representa,
não a substituição dos anéis anteriores, não a sua rejeição, mas a sua adoção, a
sua inclusão em algo maior.11
Segundo esse autor, a idéia de uma “ortodoxia generosa” seria a expressão
mais abrangente do conceito de cristianismo, uma expressão inclusivista/pluralista, característica da pós-modernidade12 e, portanto, um sistema cristão
adaptado ao seu tempo.
Cabe destacar que a proposta de McLaren aponta para uma mudança
profunda do que estava acontecendo até então no meio evangélico, o reflexo
de uma nova mentalidade que está se consolidando na pós-modernidade. Ainda que se encontrassem grandes diferenças entre as comunidades cristãs no
período moderno, as propostas do cristianismo evangélico das décadas de 80
e 90 do século passado eram basicamente diferenciadas pelas características
daquela geração. Ainda que valores estéticos e teológicos fossem diferentes,
havia a possibilidade de identificação pontual dessas diferenças, ou seja, o
cerne ainda permanecia o mesmo. Essas diferenças se davam mais por estilo
e estrutura teológica do que por uma abordagem filosófica da vida como um
todo. Necessitando adaptar-se ao seu tempo, as igrejas consideradas evangélicas tinham confissões bíblicas diferentes e estilos de culto, música, pregação
e eclesiologia que eram destinados a diferentes públicos, mas mantinham uma
base comum. Nesse período formou-se a “igreja dentro da igreja”,13 para satisfazer anseios de gerações diferentes, mas ainda era a mesma igreja. Várias
10 CARSON, Becoming conversant, p. 35.
11 McLAREN, A generous orthodoxy, p. 276s.
12 Ver CAMPOS, Heber Carlos de. O pluralismo do pós-modernismo. Fides Reformata 2/1 (1997),
p. 5-28.
13 Esse modelo é comum no Brasil, onde vemos várias igrejas com cultos em separado e com
estilos diferentes.
FIDES REFORMATA XI, Nº 1 (2006): 95-112
99
dessas comunidades passaram a enfatizar os ministérios para jovens adultos, a
adotar estilos “com propósitos”, modelos de igreja em células e tantas outras
propostas surgidas nesse tempo.14
No entanto, Dan Kimball defende que esses modelos tiveram um tempo
curto de duração e tornavam-se rapidamente insatisfatórios.15 Para ele, a igreja
precisava aprender a falar uma linguagem totalmente nova, com o fim de alcançar a geração pós-moderna. Só uma mudança de estilos de culto não mais
seria suficiente para alcançar a nova geração. Confirmando essa perspectiva,
uma das obras de Mclaren reivindica “um novo tipo de cristão”, o cristão pósmoderno.16 Nesse livro, McLaren apela claramente aos cristãos a que abracem o
pós-modernismo e se adaptem à maneira pós-moderna de pensar.17 Dentro desse
espírito, para alguém ser emergente ele deve negar, inclusive, a necessidade de
uma declaração de fé e qualquer forma que sugira um dogma comum. No site
emergent-us, um dos links na página inicial é “Declaração de Fé(?)”, onde Tony
Jones, o coordenador nacional, explica que a idéia de ter uma declaração de fé é
“trilhar uma estrada pela qual não queremos andar”.18 Logo, estamos diante de
algo que existe como um movimento, mas, ao mesmo tempo, pela sua fluidez
de suas propostas, é essencialmente caracterizado pela ambigüidade.
Essa marca se evidencia claramente no livro de Kimball, Emerging
Church, prefaciado tanto por Rick Warren quanto por Brian McLaren. Enquanto
Warren, um líder do cristianismo reconhecidamente moderno, prefacia o livro
apontando para a proposta de Kimball como um novo estilo que mantém a
essência do que é ser igreja, segundo o seu conceito, culto, comunhão, discipulado, ministério e evangelismo, McLaren inicia a sua contribuição dizendo
que “frequentemente trocamos um conjunto de estilos, métodos rígidos e
tradicionais, e formas de pensar por outros ‘contemporâneos’ e igualmente
rígidos”.19 Segundo McLaren,
nossa compreensão do evangelho muda constantemente à medida que nos
engajamos na missão em nosso mundo complexo e dinâmico, à medida que
descobrimos que o evangelho tem um rico caleidoscópio de significados a
oferecer, abrindo-nos camadas inexploradas de profundidade, revelando facetas
não contadas de percepção e relevância.20
14 De certa forma este modelo ainda prevalece entre a geração adulta evangélica no Brasil, ou
seja, os modelos das igrejas de Rick Warren (Saddleback) e Bill Hybels (Willow Creek)
15 Citado em GIBBS e BOLGER, Emerging church, p. 33.
16 McLAREN, Brian. A new kind of Christian. San Francisco: Jossey-Bass, 2001.
17 JOHNSON, Phil. A critical look at the emerging church movement.
18 JONES, Tony. Doctrinal Statement(?).http://emergent-us.typepad.com/emergentus/2006/05/
doctrinal_state.html (acesso em 8 maio 2006).
19 McLaren, no prefácio a KIMBALL, Emerging Church, p. 9.
20 Ibid., p. 9.
MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?
100
Dessa forma, a ambivalência do pensamento é prontamente aceita e até
celebrada pelos líderes do movimento.
Um site emergente em português responde a pergunta “O que é igreja
emergente?” da seguinte forma:
A igreja emergente é um movimento da igreja protestante, iniciado por americanos e ingleses, com a finalidade de alcançar a geração pós-moderna. Refletindo
as necessidades e os valores percebidos desta geração, as igrejas emergentes
enfatizam o autêntico, a expressão criativa e uma perspectiva sem julgamentos,
procurando reavaliar as doutrinas (ecclesia reformata, semper reformanda…).
Igreja emergente é simplesmente um termo usado para denominar as igrejas
que nasceram ou que foram [re]estruturadas para um contexto pós-moderno,
pós-cristão de ser igreja no mundo de hoje.21
Podemos então, provisoriamente, definir a igreja emergente como uma
reação ao cristianismo do período moderno sob a pressuposição de que o cristianismo, como se desenvolveu no modernismo, tornou-se arcaico e irrelevante
para a geração contemporânea. É um movimento de reação à igreja moderna.
Pode-se dizer que o termo igreja emergente é
usado de maneira conveniente para descrever movimentos similares ou relacionados que surgiram na última década e que tendem a pensar em sintonia com
as mudanças propostas pelo pós-modernismo dentro do campo das artes, da
literatura e do discurso público.22
Positivamente, as comunidades emergentes são missionais23 e buscam,
basicamente, servir dentro de seu tempo e cultura.
Pesa contra a definição acima o fato de que alguns que se consideram
emergentes facilmente podem tentar desautorizá-la, dizendo que são diferentes
do proposto acima ou que líderes do movimento afirmam outra coisa. Pesa
a favor da definição o fato de que uma caracterização plena é praticamente
impossível à luz do que a própria “emergência” significa, ou seja, fluidez e até
mesmo inconsistência lógica. Logo, expressões como “não somos assim” ou
“esses pontos são questionáveis” serão comuns diante de qualquer tentativa de
definição do movimento. Cabe salientar que o movimento possui manifestações
desde as mais brandas até as mais radicais, ora lidando com um “formato” do
cristianismo, ora lidando com a essência do cristianismo.
21 http://igrejaemergente.blogspot.com/2006_01_01_igrejaemergente_archive.html. (acesso em
20 fev. 2006).
22 Ver JOHNSON, A critical look at the emerging church movement.
23 Termo usado para descrever a importância dada ao alcance evangelístico através do envolvimento
na vida da comunidade e dos descrentes.
FIDES REFORMATA XI, Nº 1 (2006): 95-112
101
2. ORIGENS E REPRESENTATIVIDADE

A epistemologia da igreja emergente, ou seja, a forma como conhecemos
as coisas, é essencialmente voltada para a experiência. Esse é um aspecto que,
segundo Carson, contrasta com a epistemologia do período moderno, pois no pósmodernismo “muito do que ‘sabemos’ é moldado pela cultura na qual vivemos, é
controlado pelas emoções, valores estéticos e herança”.24 Esse conceito aplicado
ao movimento do presente estudo implica que não é possível ser emergente ser
ter uma experiência emergente. Logo, uma das tônicas do movimento é que antes
de ser, primeiro é fundamental pertencer. A comunidade projeto242, existente
no Brasil, traz a seguinte proposta comunitária: “Queremos oferecer às pessoas
um local onde elas possam se sentir parte antes mesmo de acreditar”.25 Essa
abordagem pragmática, fundamentada na experiência, faz com que a análise do
movimento apele para relatos pessoais de suas experiências emergentes.
Geograficamente o movimento teve origem no Reino Unido, ligado a
uma cultura fundamentada na experiência, a cultura clubber. Essa cultura, na
verdade uma subcultura, é caracterizada pela migração dos jovens suburbanos
para o centro das cidades durante os fins de semana, buscando um significado
tribal para a existência. Os ajuntamentos de jovens dentro dessa subcultura
propiciaram o aparecimento de “tribos” cristãs26 entre a população, e estes, por
sua vez, produziram movimentos que, mais tarde, passariam a identificar-se
como emergentes. Na Inglaterra, onde a expressão do cristianismo evangélico
tradicional é muito pequena e a freqüência à igreja está entre 2 e 3% da população,27 a igreja emergente tornou-se rapidamente uma expressão importante.
A influência do movimento dentro da cultura norte-americana deu-se
em um contexto bem diferente, ou seja, dentro do contexto de uma subcultura
cristã já existente. Nos anos 80 desenvolviam-se no meio da igreja evangélica norte-americana as igrejas GEN-X, ou geração X, equivalente à geração
“coca-cola”.28 Esse movimento caracterizava-se por comunidades em que o
24 CARSON, Becoming conversant, p. 27.
25 Texto no site http://www.projetoagape.org.br/home/projeto242.php, seção “O que valorizamos”.
Acesso em 8 abr. 2006.
26 Esses clubes são caracterizados pelo uso de música eletrônica e alto consumo de álcool e comprimidos de ecstasy. Em suas expressões mais radicais, jovens entre 18 e 35 anos dançam ao som de música
eletrônica durante horas, normalmente até o raiar do dia. Essa subcultura está em crescimento nos grandes
centros urbanos brasileiros e alguns poucos trabalhos acadêmicos estão sendo produzidos sobre ela. No
Brasil, os clubbers de periferia são chamados de cybermanos. A revista eletrônica B*Scene apresenta parte
do cenário dessa cultura no Brasil (http://www.gardenal.org/bscene/musica/index_musica.htm). Para outras
definições, ver FEITOSA, Ricardo Augusto de Sabóia. Perspectivas de abordagem sobre “autenticidade”
e “originalidade” na cena de música eletrônica. http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/seminario/
ricardo.htm. Acesso em 10 maio 2006.
27 GIBBS e BOLGER, Emerging church, p. 24.
28 A geração coca-cola é a geração tipicamente urbana e individualista, cantada por Renato Russo,
líder do conjunto Legião Urbana.
MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?
102
culto oferecia música em alto volume, vida apaixonada, pregação informal,
relacionamentos friends e mais adiante a presença de expressões artísticas no
culto, inclusive cerimônias à luz de velas.29 Todavia, esse formato de igreja e
culto não se mostrou efetivo no alcance da geração pós-moderna. Para tanto,
seria necessário um passo a mais.
Essa necessidade está, supostamente, sendo atendida mediante o surgimento das comunidades emergentes, cuja proposta é proporcionar um “retorno
refrescante a um ministério focalizado em Jesus, essencialmente sagrado e
voltado para a experiência de cada pessoa”.30 Dessa forma, os líderes do movimento preferem divulgar as suas idéias através de histórias ou relatos pessoais,
pois segundo eles essa foi uma marca fundamental do desenvolvimento do
cristianismo. Normalmente a espiritualidade é abordada como uma caminhada
ou viagem espiritual e na literatura as idéias são expressas pela boca de diferentes personagens e diálogos. O subtítulo do livro de McLaren, A New Kind
of Christian, é “um conto de dois amigos em uma jornada espiritual”. Vários
líderes preferem chamar o movimento de uma “conversação emergente”.
Um desses relatos típicos pode ser encontrado no testemunho de Dan
Kimball, autor de The Emerging Church,
31 considerado um dos líderes do movimento. Kimball relata a sua luta em busca de respostas para o motivo pelo
qual a igreja “seeker friendly” (ou seja, “adaptada ao usuário” ou “orientada
para o consumidor”)32 deixou de satisfazer e de ser efetiva para a geração
nascida na pós-modernidade. Ele era pastor de uma igreja com características da geração X nos anos 80 e durante um bom tempo aplicou as técnicas e
modelos de uma igreja tipicamente moderna. Cabe observar que ele obteve
considerável sucesso naquela empreitada em termos de padrões numéricos.
Normalmente essas igrejas eram fundadas e sustentadas por mega-igrejas e
usadas como um braço para atender a demanda jovem. No entanto, Kimball
começou a perceber que os programas e projetos que havia desenvolvido de
modo eficaz durante algum tempo já não eram mais eficientes. Ele afirma ter
observado que tanto o conteúdo quanto a forma de seus projetos não comunicavam muita coisa à geração jovem pós-moderna e isso fez com que ele se
lançasse à busca de formas alternativas de ministério. Foi nesse contexto que
ele fundou a Vintage Faith Community Church,33 “desenhada” com o fim de
29 Ver GIBBS e BOLGER, Emerging church, p. 30.
30 Chamada de capa do livro de Kimball, Emerging church.
31 Ver KIMBALL, The emerging church, principalmente o segundo capítulo: “How I moved from
being seeker sensitive to post-seeker sensitive”, p. 31-38.
32 Kimball fala da sua busca de metodologias para aplicação em seu pastorado desde o início dos
anos 80 em igrejas como Willow Creek Community Church (Chicago) e Saddleback Church (Orange
County, Califórnia), igrejas “com propósito”.
33 O site da comunidade é http://vintagechurch.org. Por vintage entende-se algo raro, genuíno, de
qualidade.
FIDES REFORMATA XI, Nº 1 (2006): 95-112
103
ser atraente para a geração pós-moderna, não só empregando estratégias, mas
pensando de maneira pós-moderna. Os critérios de avaliação do sucesso dessa
igreja emergente deixaram de ser numéricos e passaram a ser missionais, como
será visto mais adiante.34
As expressões do movimento se desenvolvem de maneiras variadas.
Mais recentemente, Brian McLaren abriu um site em que o nome igreja não
está presente – emergent-US (emergent-us.typepad.com). Esse site tornou-se
uma espécie de centro de comunicações e divulgação de eventos, palestras e
mensagens do movimento. Ali são publicadas várias viagens nas quais os líderes emergentes, incluindo McLaren, têm andado por toda a Europa, Estados
Unidos, Austrália e vários outros paises divulgando as suas idéias. Anualmente,
nos Estados Unidos, acontece a Convenção Nacional de Pastores, que reúne
quase dois mil participantes. Um número significativo deles participam de
uma linha do evento orientada para líderes que se consideram emergentes ou
estão interessados nessas idéias.35 Outro grande movimento ligado à igreja
emergente e seus líderes é Fusion Conference, uma conferência específica
para cristãos entre os 20 e 30 anos que ocorre em três estados norte-americanos diferentes e reúne mais de 1800 líderes e jovens sob o lema “fé + vida”.36
Tendo idéia da origem e representatividade do movimento, há que se observar
suas características.

3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Carson afirma que a igreja emergente é essencialmente um movimento
“de dentro” e se opõe à igreja evangélica tradicional característica das últimas
décadas do século 20. Na visão dos líderes emergentes aquela forma de ser
igreja é cativa dos conceitos do absolutismo da era moderna e o movimento
emergente veio trazer a liberdade necessária para um cristianismo relevante na
pós-modernidade.37 Logo, uma das marcas principais do pensamento emergente
é a aversão ao absolutismo, ou seja, a forma de pensar do modernismo, que
admite o conceito de verdade absoluta com bases fundacionalistas. Consequentemente, esse movimento apresenta uma série de características comuns,
algumas das quais são relacionadas abaixo.
34 Ver, Kimball, Emerging church, p. 15.
35 Ver o site http://www.nationalpastorsconvention.com/content.aspx?sp=emergent. Alguns dos
temas tratados na convenção de 2006 foram: “Desenhando reuniões de culto emergente” (Dan Kimball);
“Igreja reimaginada: a formação spiritual do povo em comunidades de fé” (Doug Pagitt); “Proibida a
entrada de perfeitos: criando uma cultura do ‘Venha como estás’ na sua igreja” (John Burke); “Uma
introdução ao pós-modernismo” (Tony Jones); “Nova teologia para um novo mundo” (Doug Pagitt e
Tony Jones); “O caminho sagrado: práticas espirituais antigas para vida e ministério” (Tony Jones,
atualmente o coordenador nacional do Emergent-US).
36 http://www.fusionconferences.com/default.aspx.
37 CARSON, Becoming conversant, p. 28-29.
MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?
104
3.1 Pluralismo
Como foi dito anteriormente, a questão central nesta discussão envolve
categorias epistemológicas. A proposta emergente enfatiza os sentimentos
e afeições sobre o pensamento linear e a racionalidade; a experiência em
contraposição à verdade; a inclusão ao invés da exclusão; a participação em
contrapartida ao individualismo. Essas seriam as bases para afastar a crença
cristã na verdade “absoluta” e levar à autenticidade, ao “novo tipo de cristão”,
pregado por McLaren. Assim, a característica dominante da igreja emergente
é a não afirmação de absolutos e a aceitação das diferenças, a saber, a marca
fundamental do pluralismo pós-moderno.
Grande parte das obras escritas pelos líderes emergentes demonstra o
tipo de pluralismo desejado. O subtítulo do livro de McLaren, A Generous
Orthodoxy, revela o espírito que projeta a sua teologia:
Por que sou um cristão missional, evangélico, pós-protestante, liberal-conservador, místico-poético, bíblico, carismático-contemplativo, fandamentalistacalvinista, anabatista-anglicano, metodista, católico, verde, encarnacional,
deprimido-mas-esperançoso, emergente e inacabado.
Cada uma dessas expressões transforma-se em título de um dos capítulos
do livro de McLaren, no qual ele aplica as categorias do que chama de “pensamento emergente”. Segundo ele, o relativismo e o pluralismo filosófico não
permitem que o cristão permaneça fiel à Escritura. Por outro lado, o pensamento moderno está morto e as críticas ao absolutismo modernista são muito
fortes, sem possibilidade de serem combatidas. A única saída, segundo ele, é
o pensamento emergente da ortodoxia generosa, como citado anteriormente:
“Pense em um corte transversal numa árvore. Cada anel representa, não a
substituição dos anéis anteriores, não a sua rejeição, mas a sua adoção, a sua
inclusão em algo maior”.38
Nesse sentido, no pensamento emergente nunca se chega a um ponto
final, mas emerge-se em algo novo, sempre plural, sempre inclusivo. Simon
Hall, líder da comunidade Revive, em Leeds, Reino Unido, afirma:
Meu alvo para a comunidade não é ser “pós” tudo. Nós somos evangélicos e
carismáticos e liberais e ortodoxos e contemplativos e ligados à justiça social
e ao culto alternativo.39
Essa postura ilustra claramente o tipo de pluralismo almejado nessas
comunidades.
38 McLAREN, A generous orthodoxy, p. 276-277.
39 Entrevista citada em GIBBS e BOLGER, Emerging churches, p. 38-39.
FIDES REFORMATA XI, Nº 1 (2006): 95-112
105
3.2 Protesto
A marca do pluralismo leva o movimento emergente a uma posição de
protesto. Praticamente toda a sua liderança vem de dentro da base do cristianismo evangélico tradicional e fundamentalista e manifesta o seu descontentamento com a instituição de origem. Da mesma forma como vimos a respeito de
Kimball e sua percepção descontente com a igreja tradicional, Mike Yaconelli
editou Stories of Emergence: Moving from Absolute to Authentic (Histórias de
emergência: movendo-se do absoluto para o autêntico).40 No livro encontramse narrativas de vários líderes emergentes que possuem um tom semelhante:
a autenticidade não estava presente na igreja. O próprio nome da igreja de
Kimball reflete essa idéia, pois Vintage significa algo genuíno, de qualidade,
em oposição à igreja “enlatada” e supostamente não genuína do século 20.
Para McLaren o que os evangélicos precisam é do novo cristão, de uma nova
forma de seguir a Jesus que emerge dos escombros do cristianismo dividido
por lutas teológicas, da negligência das responsabilidades sociais e da tirania
do capitalismo conservador da modernidade. Para ele,
Cada um desses novos desafios [da pós-modernidade] requer que os líderes
cristãos criem novas formas, novos métodos, novas estruturas – e requer deles
que encontrem novo conteúdo, novas idéias, novas verdades e novo significado
que sustente os novos desafios. As novas mensagens não são incompatíveis
com o evangelho do reino que Jesus ensinou. Não, elas são inerentes a ele, mas
previamente eram não descobertas, não expressas, talvez não imaginadas.41
O conceito de uma cosmovisão integral com valores objetivos e absolutos
é impossível de ser vivido de maneira coerente e relevante nos tempos da pósmodernidade. O protesto, então, é resultado da forma incoerente como vive o
cristianismo que se diz bíblico. Esta inquietação é relatada quando McLaren
diz que
Através desses anos [de ministério] um sentimento desconfortável começou a
me mostrar que o retrato de Jesus que eu encontrei no Novo Testamento não se
encaixava com a imagem do cristianismo projetada pelas instituições religiosas,
tele-evangelistas carismáticos, representantes religiosos na mídia – e, às vezes,
minha própria pregação.42
Carson expõe o protesto do movimento emergente em três frentes: protesto contra a igreja evangélica tradicional, contra a forma como interpreta
40 YACONELLI, Mike (ed.). Stories of emergence: moving from absolute to authentic. Grand
Rapids: Zondervan, 2003.
41 McLAREN, Generous orthodoxy, p. 192-193.
42 McLAREN, Brian. The secret message of Jesus: uncovering the truth that could change
everything. Nashville: W Publishing Group, 2006.
MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?
106
o modernismo e contra a igreja “seeker-sensitive”.43 Além dos três pontos
observados por Carson, destaco o protesto contra os conceitos de autoridade
e hierarquia. É comum encontrar nos relatos emergentes a noção de que as
estruturas eclesiásticas do modernismo e suas hierarquias são antibíblicas. Em
igrejas emergentes não se encontram pastores “efetivos” ou principais. Até
mesmo na liderança do movimento encontra-se o constante debate. Quando
Tony Jones foi apontado como diretor nacional do site emergent-US, houve
grande debate e acusações de que o movimento estaria caminhando para aquilo
que ele negava em sua essência: estruturas hierárquicas. Depois do debate o seu
título foi mudado para “coordenador nacional” do movimento emergent-US.
Esse perfil de protesto marca o movimento como desconstrucionista.
A igreja evangélica no final do século 20 precisa ser desconstruída para ser
reconstruída, a começar dos conceitos de verdade absoluta que a mesma mantém.44 Para Kimball a igreja vive um momento de transição entre o modernismo
e pós-modernismo e isto exige que as bases do cristianismo moderno sejam
realinhadas para a geração pós-moderna. O cristianismo do modernismo é
fundamentado no monoteísmo racional e na religião proposicional, com uma
sistemática local e uma verdade individualista. Já na era pós-moderna o cristianismo se fundamentará no pluralismo experimental, na narrativa mística,
fluida, global, e na preferência comunal/tribal. Quanto mais as gerações se
afastam do modernismo, menos terão condições de compreender as propostas
do cristianismo daquela época.45 Logo, afirmam Gibbs e Bolger:
As igrejas emergentes estão diante de uma tarefa formidável à medida que se
esforçam para distinguir entre as partes da vida da igreja que tem as suas raízes
na cultura moderna, a serem descartadas, e as partes que são evangelho e devem
ser mantidas.46
Esse protesto soma-se ao protesto contra a teologia sistemática. Segundo
McLaren:
As teologias sistemáticas são construções maravilhosas do fim do período medieval-moderno; para mim, são como as catedrais do tempo medieval. Embora
poucos de nós adoremos em catedrais, nos as valorizamos e sabemos que deveriam ser preservadas pela sua beleza. A simetria intelectual e a grande estrutura
das teologias sistemáticas igualmente deveriam ser preservadas e admiradas.
Mas o meu palpite (e esperança) é que não vamos viver de teologia sistemática
somente, no futuro, mas vamos aprender como habitar a história bíblica… e
aplicá-la em nossas vidas.47
43 CARSON, Becoming conversant, p. 36-41.
44 Ibid., p. 36. O desconstrucionismo é o método de pensamento da pós-modernidade, que sempre
parte da hermenêutica da suspeita.
45 KIMBALL, Emerging church, p. 58-61.
46 GIBBS e BOLGER, Emerging churches, p. 88.
47 McLaren, em comentário no livro de KIMBALL, Emerging churches, p. 177.
FIDES REFORMATA XI, Nº 1 (2006): 95-112
107
Logo, o protesto emerge em todas as frentes, desde as estruturas geradas
pela teologia evangélica até a própria teologia per se e a base epistemológica
sobre a qual ela está fundamentada.
3.3 Missional
O termo missional é freqüente na literatura emergente. Quase todas as
descrições feitas do movimento também apontam para esta como outra de suas
principais características. Nesse contexto, um dos conceitos básicos de “ser missional” é ser autêntico. Gibbs e Bolger descrevem as igrejas emergentes como
comunidades que praticam o caminho de Jesus dentro das culturas pós-modernas.
Essa definição envolve nove práticas. Igrejas emergentes: (1) identificam-se
com a vida de Jesus, (2) transformam o ambiente secular e (3) vivem vidas
comunitárias intensas. Por causa dessas três atividades, elas: (4) acolhem os
estranhos, (5) servem com generosidade, (6) participam como produtoras, (7)
criam como seres criados, (8) lideram como um corpo e (9) tomam parte nas
atividades espirituais.48
Na verdade, esse é um aspecto positivo do movimento, exatamente por
demonstrar uma intensa preocupação com os incrédulos e uma considerável
eficiência no alcance de não-cristãos. Por outro lado, as ênfases tendem a levar os grupos a uma relação extremamente horizontal, na qual a pregação do
evangelho e a ação social, por exemplo, tornam-se indistintas e os discursos
quase que se confundem, em nova embalagem, com os da teologia da libertação.
Assim sendo, a ação social, como ato de amor, já é pregação e pode dispensar
a proclamação. Gibbs e Bolger afirmam que a única metanarrativa viável é
a missio Dei, que “redime a nossa realidade material, acolhe os estranhos,
compartilha generosamente, capacita, ouve, dá espaço e oferece a verdadeira
liberdade”.49 Essa característica revelaria a natureza “encarnada” do cristianismo, da mesma forma que Jesus andou entre as pessoas pobres e rejeitadas
e foi parte da sua transformação social.
Essa confusão pode também ser percebida nos escritos de McLaren.
Para ele:
… a fé cristã missional afirma que Jesus não veio tornar algumas pessoas salvas
e outras condenadas. Jesus não veio ajudar algumas pessoas a serem corretas
enquanto deixa todas as demais erradas. Jesus não veio para criar outra religião
exclusiva – o judaísmo estando exclusivamente baseado na genética e o cristianismo estando baseado exclusivamente na crença (o que pode ser um requisito
mais difícil do que a genética).50
48 GIBBS e BOLGER, Emerging churches, p. 44-45.
49 Emerging Churches, p. 46.
50 McLaren, Generous orthodoxy, p. 109-110.

MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?

108
Nesse sentido, ser missional é ser absolutamente inclusivista. A base bíblica usada pelo autor é o chamado de Abrão, quando Deus prometeu abençoá-lo
e fazer dele uma bênção para todas as nações. Tomar esta bênção e enfatizá-la
em detrimento da segunda parte (em ti serão abençoadas todas as nações da
terra) é não ser missional, nem generoso e nem ortodoxo, ou seja, receber a
bênção implica em distribuí-la generosamente a todos, sem exigir nada de
volta.51 A bênção, nesse sentido, não é simplesmente levar o evangelho de
Cristo, mas agir como se todos os que estão à nossa volta já tivessem recebido
a bênção. Em algumas dessas comunidades o princípio usado é de que nenhum
aspecto das ações internas da comunidade deveria fazer com que um de seus
membros tivesse vergonha de levar um amigo à reunião ou culto. Na igreja
moderna a ordem seria crer e depois pertencer. No movimento emergente a
idéia é primeiro pertencer e depois crer.
3.4 Linguagem, culto e pregação
Uma das características visíveis da igreja emergente está no seu uso
da linguagem e na sua forma de manifestação de culto, que são prontamente
observáveis nos sites e literatura. Kimball tem vários capítulos descritivos em
seu livro e nesta seção utilizo bastante o seu material.
Um dos argumentos fundamentais é que a comunicação para a mente pósmoderna não pode acontecer de forma linear. Para a geração que cresce nos tempos contemporâneos a comunicação precisa acontecer em forma de rede, como
um site na internet, onde as possibilidades de continuidade são inúmeras e, na
verdade, ninguém sabe onde ela vai terminar. Uma das propostas fundamentais
na comunicação emergente é a criação de um culto experimental e multi-sensorial, numa atmosfera trabalhada por luzes, velas, símbolos, mensagens multimídia, arte estática e em movimento, espontânea e participativa, dando sempre
lugar à experiência. Isto seria uma reação ao culto na igreja moderna que coloca
os adoradores mais como expectadores e que exige muito pouco envolvimento
no ato de adoração. Na “Liquid Church” (Igreja líquida), por exemplo, o culto
é descrito como “Intenso e apaixonado. Sonhador e reflexivo”.52
Os elementos de culto propostos por Kimball em Emerging Church
parecem ser sérios e ponderados. Há um incentivo ao uso da música sem
permitir que a letra seja esquecida, bem como as leituras bíblicas feitas antes
dos cânticos, as ofertas, a Santa Ceia, a leitura de credos e a oração. Além do
mais, um capítulo inteiro do livro é dedicado à forma da pregação.
Existem vários aspectos positivos nas declarações feitas por Kimball,
como, por exemplo, o fato de que no ato de cantar não se deve ser apenas um
51 Ibid., p. 110.
52 Liquid Church, Our Worship. Em http://liquidchurch.typepad.com/liquidchurch/06_our_worship_/index.html. Acesso em 7 abr. 2006.
FIDES REFORMATA XI, Nº 1 (2006): 95-112
109
observador, alheio ao que se está cantando. Em sua comunidade, os músicos
costumam ficar ao fundo do auditório para não se tornarem o foco durante os
cânticos e não darem a impressão de uma apresentação musical. Contudo, junto
a tudo isto ocorrem várias práticas estranhas ao protestantismo histórico e que
se associam mais ao catolicismo romano, algumas delas bem características do
misticismo medieval e até pagãs. Um dos exemplos oferecidos pelo próprio
autor do livro é a queima de incenso durante a experiência das ofertas, dando
ao adorador a noção de que “as suas orações e ofertas estavam, na verdade,
subindo a Deus como um aroma agradável”.53
Várias das igrejas emergentes encontradas na internet também possuem
as suas estações de oração nas quais os participantes circulam, dando “passos
de oração”. Segundo Kimball, em um dos programas de sua igreja as estações
representavam cada uma das disciplinas ou aspectos de uma vida cristã sadia.
Encontravam-se nelas objetos relacionados ao seu tema. Em uma das estações,
descreve Kimball, colocaram uma cruz feita de espelhos onde cada um poderia
contemplar-se na cruz e ter uma noção de como Cristo havia levado os pecados
nela.54 Todo o experimentalismo tem como objetivo atrair o jovem pós-moderno
em busca de experiências sensoriais e levar-lhe a mensagem do evangelho.
Todavia, Kimball adverte contra o perigo das experiências chamarem mais
atenção para si mesmas do que para Jesus.
Existem, inclusive, sugestões de como o ambiente de culto pode ser preparado para oferecer uma atmosfera mais favorável ao culto multisensorial.
Propõe-se a não linearidade dos assentos, mas a circularidade do ambiente e a
presença de simbologia por todos os lados.55 Dentro de todo este contexto encontramos muito da busca de uma “nova espiritualidade” mística. A prática da
“oração contemplativa”, em que a união mística com Deus é buscada através da
meditação com a repetição de mantras, é incentivada por ministérios que tem sido
formadores dentro do movimento, especialmente o Youth Specialties, fundado
por Mike Yaconelli, que promove retiros contemplativos para jovens.56
Lendo partes do capítulo sobre a pregação, poder-se-ia confundi-lo como
o desafio de um pregador reformado que conclama ao retorno à pregação
53 KIMBALL, Emerging church, p. 161.
54 Ibid., p. 168.
55 Ibid., p. 249. No final do livro o autor chega a propor um esboço de planta para reuniões emergentes.
56 Ver os sites http://www.youthspecialties.com e a gama de eventos em http://ymsp.org/events/
index.html. Os direitos sobre as publicações de Yaconelli e do Youth Specialties foram adquiridos recentemente pela Editora Zondervan. Sobre a “oração contemplativa”, sua história e prática, ver o site
Contemplative Outreach, http://www.centeringprayer.com/. Ver o que é recomendado por PERSCHON,
Mike, em Contemplative Prayer Practices, http://www.youthspecialties.com/articles/topics/spirituality/
contemplative.php (acesso em 22 maio 2006). Entre as recomendações estão as práticas de respiração
profunda, Lectio Divina, contemplação inaciana, labirintos, Taizé e Iona.
MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?
110
bíblica profunda. De fato, Kimball condena a superficialidade da pregação
nas igrejas das últimas décadas e mostra a necessidade de voltar à exposição
bíblica como forma de ensino para o povo de Deus. O problema aparece, no
entanto, quando a proposta de pregação se volta para o estilo narrativo e são
apresentadas as diferenças entre a pregação da igreja moderna e aquela a ser
praticada na igreja emergente. Ele afirma que na igreja moderna o “sermão
é o ponto focal do culto” enquanto que na igreja emergente “o sermão é uma
parte da experiência do ajuntamento de culto”; “o pregador serve como um
despenseiro das verdades bíblicas para ajudar a resolver problemas pessoais
na vida moderna… [ele] ensina como a sabedoria antiga da Escritura se aplica à vivência do reino como um discípulo de Jesus”; “a mensagem bíblica é
comunicada primariamente por palavras… [ela] é comunicada por um misto
de palavras, elementos visuais, artes, silêncio, testemunho e história”.57 Nesse
sentido, a pregação no culto cristão deixa de ser uma exposição objetiva da
verdade para ser a experiência individual de uma espiritualidade impossível
de ser definida. O conteúdo da pregação emergente, para ser relevante, vê a
Bíblia como “uma narrativa viva que ilumina a nossa história e não como uma
verdade proposicional que deve ser observada”.58
4. AVALIAÇÃO PRELIMINAR
Como foi proposto no início, este artigo tem somente a intenção de oferecer uma avaliação preliminar, tendo em vista que muito do que ainda vamos
entender por igreja emergente está por vir. Do que até agora se configura como
tal, podemos destacar pontos positivos e negativos do movimento.
A busca da comunicação efetiva dentro da cultura é, com certeza, um
ponto que deve levar a igreja à reflexão, e nisto o movimento emergente nos
chama a atenção. O perigo de tornar-se irrelevante é sempre presente para a
igreja em qualquer tempo e, com certeza, a igreja de “nosso tempo” deixa de
falar efetivamente em muitas situações, principalmente pelo medo de exporse e viver no mundo. Conforme a oração do Senhor em João 17, não somos
do mundo, mas vivemos nele e nele temos que pregar o evangelho de Cristo.
Essa pregação precisa ser compreensível e relevante, e o uso de uma linguagem
efetiva e compreensível ao homem dos dias de hoje é fundamental. O lado
negativo desse aspecto, parece-me, é que o movimento emergente prega um
tipo de “relevância a qualquer custo”. Para ser relevante, o movimento (ou
aqueles que são reconhecidos como seus líderes) tem proposto a negação de
fundamentos bíblicos essenciais, como a caracterização da verdade bíblica.
57 KIMBALL, Emerging churches, p. 175.
58 FROST, Pamela. The emerging church – the invasion of mysticism. Trabalho não publicado
apresentado na conferência Christian Witness for a Pagan Planet (Testemunho cristão para um planeta
pagão), janeiro de 2006, Escondido, Califórnia.
FIDES REFORMATA XI, Nº 1 (2006): 95-112
111
Alguns teólogos tem sido o referencial para o desenvolvimento desse tipo de
pensamento, entre eles Stanley Grenz.59
Outro ponto importante é o desejo da chamada igreja emergente de ser
missional. Se as comunidades emergentes tomarem o termo missional como o
desejo de autenticidade, a negação da hipocrisia e do espírito farisaico e a vontade de não manter estruturas que facilitem esse estado de coisas, estarão, com
certeza, mais próximas de apresentar o verdadeiro evangelho com impacto em
meio à sua geração e cultura. Creio que algumas delas provavelmente o farão.
O lado negativo, no entanto, está na adoção do conceito missional inclusivista.
Essa proposta leva o movimento ao radicalismo do anti-radicalismo, a ponto de
propor que a mensagem do evangelho de Cristo não é radical, do tipo “quem
não é por mim é contra mim”, mas uma mensagem condescendente, receptiva
de diferenças e não-condenatória. Afinal, nesse sistema de pensamento tudo o
que se propõe como exclusivo é considerado preconceituoso.
Outro aspecto positivo do desejo missional é o envolvimento das comunidades com ações de caráter social que, de fato, ajudam e tocam as classes
menos favorecidas da sociedade, buscando a erradicação da fome e da pobreza.
Todavia, como todo envolvimento da igreja em causas sociais, as comunidades
emergentes correm o risco de fazerem da causa social tanto o seu fim último
como a sua motivação primeira.
Em que pesem os aspectos positivos do movimento, a sua fundamentação
filosófico-teológica nos faz avaliar a sua proposta geral como mais negativa
do que positiva. A adoção da mentalidade pós-modernista e do pluralismo da
verdade nega, no seu cerne, a proposta bíblica e seus absolutos. Entre os pensadores emergentes está clara a proposta do pluralismo da verdade, no qual “o
conhecimento não mais é visto como verdade absoluta; ao contrário, o conhecimento é visto em termos de reorganizar informações em novos paradigmas”.60
A crença em absolutos não é um marco ou privilégio da igreja moderna, mas
é fruto da revelação objetiva de Deus através dos séculos.
Outro grande perigo apresentado pelo movimento é a adoção de práticas
pagãs na igreja. As práticas de meditação e contemplação propostas por muitos
de seus líderes são contrárias aos ensinamentos da Escritura e se configuram
como tentativas idólatras de alcançar a divindade. É preocupante ver os passos
que estão sendo dados em nome de uma busca espiritual que desconsidera a
Escritura como fonte de toda a verdade.
Pode a igreja viver assim? Não creio. Uma igreja em que o fundamento
básico, a verdade, está solapado, não poderá sobreviver, porque necessariamente
59 Ver, GRENZ, Stanley, Renewing the center: evangelical theology in a post-theological era.
Grand Rapids: Baker, 2000. Outros teólogos que tem servido à proposta pós-moderna são Roger Olson,
Nancey Murphy e John Franke.
60 VEITH, Gene Edward Jr. Tempos pós-modernos. São Paulo, SP: Cultura Cristã, 1999, p.42
e 50.
MAURO MEISTER, IGREJA EMERGENTE, A IGREJA DO PÓS-MODERNISMO?
112
deixará de ser igreja. Portanto, a igreja emergente, seja como movimento ou
como igreja, deve passar, assim como já passaram muitos outros movimentos
contemporâneos que começaram como “a resposta” para os problemas da igreja. A negação aberta das características de autoridade, convicções e expressão
doutrinal clara apontam para a direção oposta do que as Escrituras afirmam e
a igreja experimentou e comprovou durante toda a sua história.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here